Como não ter medo de ter medo?

Medo é um tabu! “Ter medo”, mais precisamente. Quem tem medo é “fraco”. O medo dos outros “é dos outros, não me atinge”. Infelizmente, muitas vezes, nossa empatia estaciona ai. Pode até ser que estejamos imunes ao medos do resto do mundo, mas e os seus? E os meus? Negar o monstrinho que habita em nós só piora a situação.

Comigo funciona assim, às vezes, eles – sim, no plural – me paralisam. Não importa se tenho toda pauta organizadinha ~minuciosamente~ à minha frente, ou se tenho todo tempo pra realizá-las… kabooom! o medo do fracasso (o mais presente em minha vida) transporta-se para dentro do meu frágil corpo de carbono e água.

Algumas vezes fiquei paralisado de forma literal. Fiquei vendo o tempo passar no relógio por ter medo de não realizar aquilo que deveria fazer da melhor forma possível. Eu nem mesmo tentava fazer o que tinha que ser feito! Em 100% dessas vezes, que esse medo aparatava, eu fazia outra coisa “mais fácil” ou que não tinha relação com o principal. Não ficava em pânico, mas, ainda assim, isso era (é) um saco!

Conversa franca com meus medos

Minha luta diária com meus medos é para acabar com eles: tento abraçá-los (e afugentá-los ao mesmo tempo). O que tento fazer é educá-los: primeiro, digo para eles que está tudo bem, compreendo-os; depois, simplesmente, tento ignorá-los, mesmo berrando e sacudindo minha pobre alma; e, finalmente, tento chutá-los para o mais longe possível. Miro sempre o espaço – o objetivo é que fiquem na Lua e não voltem.

Acontece que nem sempre consigo. Fazer oquê?! Todavia, não tenho alternativa, preciso continuar lutando contra mim mesmo (essa fazenda de medos).

Meus medos são meus e, ao chegar no último degrau, representam meu próprio Eu – subconsciente ou não – tentando me sabotar por alguma razão que só Deus, Tupã e Oxalá sabem.

Meu ponto é: não devemos ter medo de ter medo. Talvez devamos nos preocupar mais em ter falta de medos do que, propriamente, com eles. De certa forma, eles nos mantêm vivos e, sabe, é ‘ok’ quando colocados lado a lado dos outros sentimentos que explodem em nosso interior todos os dias. Só não podemos deixar crescerem como a noite sobre uma tarde de inverno. Às vezes pode demorar um bocado para acendermos uma pequena e frágil vela… mas sempre conseguiremos iluminar a sala com ela!

Aprender a controlar meus medos não é fácil, ainda estou descobrindo e talvez nunca os domine de fato. C’est la vie – é a vida! E por ela me arisco todos os dias a continuar lutando contra meus principais algozes.

Por fim, o desafio de encarrar meus medos e vê-los cair por terra é uma das coisas que me mantém de pé a cada dia. A satisfação de vencê-los é única.

O (bom) jornalismo não perdoa ninguém

O papa é pop e o jornalismo não perdoa ninguém” – já dizia aquela bandinha famosa nos idos anos 1980/90… ou quase isso.

Foi-se o tempo em que estudantes secundaristas – apaixonados – sonhavam em entrar nas faculdades de jornalismo Brasil afora por causa do “glamour” da profissão na telinha! “Plim plim!” Me recordo, como ontem, que ao entrar na Faculdade de Comunicação da Ufba (um dos lugares que mais amo na vida) muitos parentes, amigos e conhecidos me abordaram, em momentos diferentes mas em sintonia, com a seguinte frase: “e ai, quando vai trabalhar na Globo?! Quando vou te ver no jornal?!”.

Assustado, a pergunta me lançava ao lugar comum do que deveria ser o jornalista, e, além de estranha, não caia bem aos meus ouvidos e muito menos encontrava eco em meus neurônios juvenis. Resultado: eu bugava!

A tela azul do Windows aparecia.

Pois, devo esclarecer, não foi Willian Bonner, todo engomadinho na minha TV, o motivo pelo qual desejei fazer jornalismo. Para ser franco, no momento que entrei na Facom, nem eu mesmo sabia direito o que estava fazendo ali – aliás, como quase todo jovem no começo da faculdade: era um lugar estranho, com gente esquisita e que lia Adorno, McLuhan, Mafessoli, Tom Wolf, Capote, Traquina, Bourdieu etc. E, assim como quase todo jovem na faculdade – pelo menos os que conheci-, só fui descobrir o que estava fazendo ali já quase no meio do curso. Antes tarde que nunca, mas descobri.

Descobri uma cachaça pior que a original água ardente: a informação de qualidade, com pitadas de pensamento complexo.

O bom jornalismo vestido de palhaço mata oito

Fazer um jornalismo de qualidade é muito fácil, ao contrário do que muitos dizem: ele requer honestidade, curiosidade e apuração. Com essas três ferramentas na mão é possível lapidar um diamante bruto em uma baita reportagem.

Dito isso, para fazer um bom jornalismo será sempre difícil: ninguém quer que informações sensíveis sejam divulgadas ou que alguns nomes sejam comprometidos pelo brilho irradiado do bom jornalismo. E quando isso acontece, quando o jornalismo mata 8 em roupa de palhaço, os jornalistas são acusados de “politicagem”. De repente, o jornalismo não é mais jornalismo: se divulga algo comprometedor, mesmo com interesse público, é logo taxado de partidário ou de “propagador de fake news”. Aff!

Lamento dizer, mas, o papel do jornalismo não é agradar as pessoas, nem mesmo ao leitor. O papel do jornalismo é oferecer a verdade em uma bandeja de prata à sociedade. Por isso, o jornalismo é um cão de guarda: ele pode morder até mesmo seu cuidador! E, precisamos defender que continue assim. Uma democracia não sobrevive sem um jornalismo mordedor, implacável e independente. Quando alguém acusa o jornalismo de querer o mal (ou coisa pior), desconfie. Certamente essa pessoa é alvo fácil do nosso anão vestido de palhaço.

ps: Dancemos!

Mais uma vez, blog

máquina de escrecer

Não é meu primeiro blog na rede. Já fiz de tudo um pouco na internet, já usei blogspot, já circulei no wordpress e já semeei no meu próprio “com.br” – perdi esse domínio, lamentavelmente, e agora ataco de “moises.co“.

Mas, volto. Volto com um objetivo em mente: escrever. Este é meu desafio para os próximos anos: escrever mais e mais a cada dia. Ler mais livros também está na equação de minha vida. Todavia, ter um blog sempre me ajudou na prática da escrita, e sempre foi um grande incentivo.

Faça seu próprio blog e produza. Não fique contente em apenas consumir.

Neste canto você poderá ler sobre cibercultura – minha paixão em termos de interesse e pesquisa -, comunicação digital, marketing e mídias sociais – estas últimas mais próximas das áreas de trabalho que coloquei meus pés nos últimos anos – e, claro, um pouco sobre mim. Não creio que vá acertar em tudo que escreverei, mas o objetivo será mesmo de levantar a bola e não de marca o ponto. Fazer um exercício de humildade é preciso, afinal. 🙂

Espero conseguir escrever, ao menos, três parágrafos por dia neste blog. Também anceio conseguir pegar as borboletas que realmente importam, não apenas para mim, mas também para você, anônimo leitor. Dedos cruzados.

Se está lendo isso, sinta-se no direito de me cobrar essa “promessa”.

Abraços fraternos.

Waze and Urban Command and Control Centers: cases studies in Brazil

New digital and collaborative infocommunication technologies can be seen in the hands of citizens as well as organs and governments. The Waze smartphone app is one such case. Based on data and mining locative information on traffic, in real time, it quickly gained spaces among citizens to bypass urban problems. And also the Urban Command and Control Centers (UCCCs), which aim to have access to the data produced collaboratively by the users of the app. Based on this, this research aims to understand how Waze works and associations with UCCCs. Interviews with those responsible for Centers that have a partnership with Waze in Brazil (in the cities of Rio de Janeiro-RJ, Petrópolis-RJ, Vitória-ES and Juiz de Fora-MG), or use it unofficially (in Salvador-BA) were done in order to raise appropriations and understanding about the use of the app and its data by UCCCs. The application, important for users to overcome urban problems, has proved useful to Centers (lending their infocommunication skills) to connect with citizens and to be able to observe, treat and solve problems in different urban layers.
Key-words: Waze. Infocommunication Technologies. Urban Command and Control
Centers. Connected Citizens Program. Traffic.

Acess: https://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/27834

Waze e Centros de Comando e Controle Urbanos: estudos de casos no Brasil

Novas tecnologias infocomunicacionais digitais e colaborativas podem ser vistas nas
mãos de cidadãos e também de órgãos e governos. O aplicativo para smartphones Waze é um destes casos. Baseado em dados e mineração de informações locativas sobre o trânsito, em tempo real, rapidamente ganhou espaços entre cidadãos para contornar
problemas urbanos. E, em seguida, também de Centros de Comando e Controle Urbanos (CCCUs), que visam ter acesso a dados produzidos colaborativamente pelos usuários do app. Com base nisso, esta pesquisa objetiva compreender como o Waze funciona e associações como CCCUs. Entrevistas com os responsáveis por Centros, que têm parceria com o Waze, no Brasil (Rio de Janeiro-RJ, Petrópolis-RJ, Vitória-ES e Juiz de Fora-MG), ou usa-o extraoficialmente (Salvador), foram realizadas afim de levantar apropriações e entendimento sobre a utilização do app e seus dados pelos CCCUs. O aplicativo, importante para usuários contornarem problemas urbanos, no dia a dia, mostrou-se útil aos Centros (emprestando suas competências infocomunicacionais) para conectarem-se com os cidadãos e conseguirem observar, tratar e solucionar problemas em diversas camadas urbanas.
Palavras-chave: Waze. Tecnologias infocomunicacionais. Centros de Comando e
Controle Urbanos. Connected Citizens Program. Trânsito.

Disponível: https://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/27834