Eu + social: interagir mais

Como parte do meu projeto de dominar o mundo… digo, do meu projeto de me reconhecer como autêntico detentor do conhecimento que tenho e posso compartilhar, passarei a ser mais social na web e na vida. Explico – sem tirar as sandálias.

“Síndrome do impostor” é o que tenho e, talvez, você também. Não poderei explicar muito, o objetivo desse texto é outro, mas, essa síndrome se resume, basicamente, em algo como se eu ficasse o tempo todo afirmando pra mim mesmo que uma hora as pessoas perceberiam que não sou “tudo isso que me mostro” (como se fosse grande coisa) ou que não teria capacidade para fazer o que me proponho na universidade, no trabalho e na vida familiar. É uma síndrome mais comum que pensamos, e muito mais comum ainda no meio acadêmico – muitos colegas de mestrado passaram da síndrome para a depressão. Ou seja, essa é, potencialmente, uma doença. Existem muitos estágios, mas o ideal mesmo é procurar ajuda especializada/psicológica se você tem alguns desses sintomas. No meu caso, terminar minha dissertação de mestrado ajudou muito a baixar o nível dessa “afobação”. Só que ela resiste e todo dia luto pra reafirmar a mim mesmo meu potencial.

Minhas histórias

Junto essa “questão não resolvida” com a minha já revelada vontade (ou “compilação” voltada) para contar minhas histórias. Quero contar pro mundo e também pra você de coisas que descobri ou estou descobrindo. Isso, no campo da comunicação, literatura, jornalismo, marketing, cibercultura e o que mais for batendo e colando em mim ao longo dos dias.

E ser mais social também faz parte desse projeto. “Preciso postar mais nas redes, além do blog, e, também, interagir mais com as pessoas… conhecidas ou não. Twitter, Instagram e Facebook são os lugares ideais para isso. Contudo, não pretendo ficar plantado nessas redes, ou neste blog. Pretendo, ai sim, compartilhar e ver quais ondas retornam.

Antes que me pergunte, sim, também pretendo ser mais social offline, voltar à jogar bola com os amigos pode ser um primeiro retorno viável à minha antiga vida social (que existia antes do mestrado).

Dica: Ouça esse episódio do Podcast Boa Noite Internet sobre “Síndrome do Impostor”:

Deixe uma resposta